terça-feira, 24 de maio de 2011

Matéria sobre Thalita Rebouças

Navegando na Internet, olha o que eu descobri, meninas!

A cena lembra a chegada de uma estrela da música pop. Jovens gritam euforicamente em torno de uma muralha de seguranças que protege uma morena baixinha, carismática e dona de expressivos olhos verdes. Foco de todas as atenções, ela ri nervosa, entre assustada e embevecida com tamanha confusão. O acontecimento em questão, que pode ser conferido no site de compartilhamento de vídeos YouTube, é uma prova de que, mesmo em um país com baixíssimos índices de leitura, escritores podem ser figuras extremamente populares. A moça responsável por todo esse agito é a carioca Thalita Rebouças.jornalista de 35 anos, autora de dez livros que, na última década, venderam mais de 600 000 exemplares - um feito assombroso no esquálido mercado editorial brasileiro, cujas tiragens médias equivalem a um centésimo disso.
O episódio descrito acima aconteceu no ano passado durante a Bienal do Livro, em setembro, e costuma repetir-se com regularidade. No último domingo, a moça voltou a ser alvo do assédio dos fãs durante uma palestra seguida de sessão de autógrafos no Salão da Fundação do Livro Infantil e Juvenil, na região do Cais do Porto.
Com obras voltadas para adolescentes, a autora já tem títulos publicados em Portugal, fechou contratos com uma editora espanhola e outra italiana e terá um de seus livros - Uma Fada Veio Me Visitar - adaptado para o cinema. O filme será dirigido por José Henrique Fonseca, com roteiro de Patrícia Andrade, do arrasa-quarteirão Dois Filhos de Francisco. "Quando decidi viver de literatura, ninguém acreditou em mim", lembra Thalita. "Meus pais, por exemplo, diziam que eu era maluca e iria morrer de fome."
O sucesso de Thalita decorre basicamente de um fator: a enorme capacidade de comunicação com seu público. Com histórias protagonizadas pela divertida personagem Malu, ela mergulha nas angústias peculiares das jovens adolescentes ao discutir temas como relacionamento com os pais, amigos, professores e namorados, sempre em textos curtos e concisos. A inspiração vem de relatos feitos por amigos que já são pais e pelos sobrinhos adolescentes do marido - o escritor e fotógrafo Carlos Luz, com quem está casada há sete anos - e do intenso contato com seus leitores.
A escritora não perde uma oportunidade de estar junto dos jovens em feiras, livrarias e escolas, onde costuma dar palestras para plateias de até 1 500 pessoas. Nesses eventos, beija e abraça um por um, posa para fotos, faz gracinhas e abusa das gírias da moda. Suas leitoras são capazes de sacrifícios como viajar até oito horas de ônibus só para vê-la ou escrever cartas de 6 metros de comprimento apenas com a frase "Eu te amo". À vontade em meio às meninas, Thalita é hoje uma espécie de psicóloga de plantão para elas.
Seu perfil no site de relacionamento Twitter tem 64 000 seguidores, e sua caixa de e-mail é entupida de mensagens com pedidos de conselhos sobre os mais variados assuntos, do primeiro beijo à perda da virgindade. Sem condições de responder a tamanha demanda, ela chegou a criar uma área específica em seu site na internet com respostas às perguntas mais frequentes que costuma receber. "O público juvenil, principalmente o brasileiro, sempre teve poucas opções de histórias que refletissem seu universo", explica. "Eu simplesmente resolvi apostar nesse filão, com livros que procurassem refletir as angústias que todos nós já tivemos no passado."
Filha única de um dentista e uma dona de casa, Thalita Rebouças Teixeira escreve desde os 10 anos. Adolescente estudiosa e tímida, a escritora fez teatro durante cinco anos para perder a inibição. Participou da Oficina de Atores da Rede Globo e, às vésperas do primeiro teste, para a novela Mulheres de Areia, de 1993, descobriu não ter paciência para esperar horas por uma audição. De certa forma, a desenvoltura decorrente dos anos de teatro acabou sendo útil na carreira de escritora.
Na primeira Bienal da qual participou, em 2001, divulgando ela própria seu primeiro livro, Traição entre Amigas (2000), abordava os visitantes um a um para mostrar seu trabalho. Repetia esse ritual nas livrarias. Com a divulgação boca a boca, conseguiu vender 4 000 exemplares. Sua segunda obra, Tudo por um Pop Star, lançada em 2003, já pela Rocco, sua editora desde então, chegou a 12 000. Com Fala Sério, Mãe!, de 2005, ela quebrou a barreira dos 100 000 exemplares. "Thalita fala de igual para igual com os adolescentes, envolve-se pessoalmente na divulgação dos livros e atende seus leitores com dedicação", diz Paulo Rocco, dono da editora.
Unanimidade entre as crianças, a escritora, no entanto, não escapa das ferroadas que costumam atingir os autores de best-sellers, seja no Brasil, seja no exterior. "Ela tem uma capacidade de comunicação indiscutível, mas não faz literatura, não tem domínio da escrita. Capta o leitor pelo estereótipo", critica uma especialista em literatura infantojuvenil. Comentários desse tipo, no entanto, estão longe de incomodar Thalita, que prepara um novo passo em sua carreira. Em outubro, ela lança seu primeiro livro cujo personagem principal é um menino.


Matéria disponível no link: 
http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/thalita-reboucas-574173.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário