quinta-feira, 3 de novembro de 2016

testando

<div data-configid="19266282/40329165" style="width:400px; height:300px;" class="issuuembed"></div>
<script type="text/javascript" src="//e.issuu.com/embed.js" async="true"></script>

domingo, 5 de maio de 2013

For the Birds

 Vamos conferir um curta-metragem super legal, e que foi exibido com êxito para a turma 1605?
 Assista a For the birds, da produtora Pixar.
 Uma bela reflexão sobre as diferenças.



Mais dicas valiosas, gente!


Algumas dicas, pessoal!

Dupla delícia: o livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.

Mário Quintana 



Voltando à atividade!

   Olá, pessoal!
   Após um longo de tempo de inatividade, nosso blog está de volta! E com ele, muitas novidades sobre as atividades a serem realizadas no nosso espaço, que ganhou novo espaço: agora, ocupa a primeira sala do anexo que fica em frente à quadra.
   Dê uma passadinha por lá e confira algumas novidades:






quarta-feira, 20 de junho de 2012

Educopédia e Educoteca

   Queridos alunos, a Educopédia é uma plataforma de aulas on line, que pode ser acessada por alunos e professores nas escolas ou em seus computadores pessoais. Em 2012, a Educopédia completou dois anos... Mas agora chegou uma novidade: a Educoteca, uma biblioteca de livros on line e gratuitos! 
   Clique na imagem e confira!


Cineclube em 2011

   No ano passado, fizemos várias exibições da Sessão "Amor e Amizade" do nosso Cineclube. 
   Confiram um dos filmes exibidos.


   O curta conta a história de amizade entre um homem e um peixe... O roteiro foi inspirado em texto de Mário Quintana, grande nome da poesia brasileira. Confira o começo:

Era uma vez um homem que estava pescando, Maria. Até que apanhou um peixinho! Mas o peixinho era tão pequenininho e inocente, e tinha um azulado tão indescritível nas escamas, que o homem ficou com pena. E retirou cuidadosamente o anzol e pincelou com iodo a garganta do coitadinho. Depois guardou-o no bolso traseiro das calças, para que o animalzinho sarasse no quente. E desde então, ficaram inseparáveis. Aonde o homem ia, o peixinho o acompanhava, a trote, que nem um cachorrinho. Pelas calçadas. Pelos elevadores. Pelo café. Como era tocante vê-los (...).